commercedata
treeopendata
open-data

Negócios

Ampliando o impacto de negócios através de dados abertos

Empresas pioneiras e diversas estão usando dados abertos para criar produtos e serviços inovadores que preenchem lacunas nos mercados, geram renda e trazem amplos benefícios sociais e ambientais, identificando ainda oportunidades para melhorarem as operações. Saiba mais sobre sua repercussão no mundo.

Dados abertos não são apenas o aliado indispensável para a transparência dos governos. Eles também podem ajudar a criar novos modelos de negócios, otimizar operações, criar empregos e melhorar o ambiente de negócios. Em muitos países, o ecossistema empreendedor já colabora com o setor público por meio de iniciativas de Govtech para melhorar a eficiência na gestão pública, desenvolver infraestrutura ou apoiar a participação política dos cidadãos.

"A transformação digital é como você compete e vence hoje. É o caminho para atender melhor os clientes, criar produtos melhores e capacitar funcionários. E os dados são o recurso fundamental neste processo, permitindo que você transforme e revele os insights de que precisa para impulsionar seus negócios." Assim destacam as empresas líderes do setor de tecnologia Adobe, Microsoft e SAP em sua Open Data Initiative, criada em 2018 para promover uma nova geração de experiências baseada no fortalecimento da cultura da orientação por dados no mundo dos negócios.

A Microsoft reforçou seu compromisso em abril de 2020, lançando uma Campanha de Dados Abertos para combater a crescente “desigualdade de dados” e ajudar organizações de todos os tamanhos a perceber seus benefícios e das novas tecnologias que eles potencializam. Além de anunciar investimentos em ativos essenciais que tornarão o compartilhamento de dados mais fácil, incluindo as ferramentas, estruturas, e modelos necessários, também trabalharão em parceria com organizações líderes no movimento de dados abertos, como o Open Data Institute e o The Governance Lab (GovLab) da New York University: "Se já houve um momento para acelerar os esforços mundiais em torno dos dados abertos, o enfrentamento à crise da pandemia mostrou que seu grande momento é agora", defende.

"Embora na América Latina e no Caribe existam países como México, Uruguai, Colômbia e Brasil que estão entre os 20 mais abertos no mundo , ainda existe o desafio geral de usar esses dados para gerar valor econômico. Para isso, hoje sabemos que a abertura de dados é necessária, mas não suficiente. Também devemos pensar em questões relacionadas à qualidade, demanda e interoperabilidade dessas informações abertas. E, paralelamente, os governos precisam gerar estratégias inovadoras para promover um setor novo e próspero que use esses dados públicos para iniciativas de negócios. Somente dessa maneira conseguiremos que os dados abertos, além de contribuir para a transparência, sejam outro elemento do crescimento econômico."

Dados de qualidade pública podem ser a matéria-prima para o lançamento de empresas viáveis ​​que geram empregos e crescimento econômico. A questão é: o que os governos podem fazer para promover a inovação e o empreendedorismo com dados?

  • Entender as necessidades dos empreendedores e melhorar a qualidade dos dados com base no que os empreendedores precisam; Medir o impacto dos dados sobre o crescimento econômico e Divulgar o potencial de se comprometer com os dados.

□ Quem já faz: conheça referências governamentais no mundo 

O Departamento de Comércio dos EUA (DOC), por exemplo, é um exemplo de uma agência federal que lidera a cobrança pelo uso de dados abertos para criar valor no mundo real. Para levar esses dados às pessoas que podem iniciar negócios com eles, a administração Obama criou a posição de diretor de tecnologia, ou CTO [sigla em inglês para chief technology officer]. O DOC posteriormente estabeleceu o Conselho Consultivo de Dados do Comércio, um grupo de até 20 membros especialistas, que ajuda a otimizar o uso benéfico de toda a gama de dados que o órgão distribui, e o Serviço de Dados do Comércio, estabelecendo parcerias com os doze departamentos que compõem o DOC para fornecer produtos e serviços para ajudar agências governamentais.

opendatacomercioeua.png
commercedata.png

Lançada em 2015, a US Cluster Mapping Tool ajuda os investidores a decidir onde investir ou expandir seus negócios por estado, estados ou áreas metropolitanas. Ian Kalin, primeiro diretor de dados do DOC (Departamento de Comércio dos EUA) compartilha a estratégia de dados do departamento e também sua visão de como os recursos de dados comerciais podem criar empregos e salvar vidas. Ian compartilha boas referências, como os Bureau de Comércio, que demonstram como seus dados foram usados ​​pelas empresas e também como iniciativas pioneiras de modernização do Departamento. Confira aqui, outra entrevista, com outro CDO do governo estadunidense.

□ Exemplos Globais Corporativos

Com os dados agora cada vez mais no centro da diferenciação competitiva entre negócios bem-sucedidos e malsucedidos, as organizações que adotam uma abordagem estratégica para uma estratégia de dados eficaz se posicionam melhor para prosperar. Hoje, as empresas são repositórios gigantescos de dados. Por isso, organizações que entendem esses importantes recursos tratam de mudar seu parâmetro para valorizar os dados que possuem. Alguns especialistas sugerem elementos chave para a transformação organizacional, como: laboratórios de dados, conhecimento e valorização dos dados por parte da diretoria. Uma das primeiras ações, sem dúvidas, é nomear um diretor especial de dados, cuja missão é supervisionar uma série de funções relacionadas a dados para garantir a organização aproveite ao máximo seu ativo mais valioso - sem perder de vista normas de proteção de dados (estabelecidas através de LGPDs). O CDO tem a tarefa de gerenciar todas essas informações e usá-las para gerar mudanças transformacionais, com dados usados ​​como um ativo estratégico em todos os departamentos da empresa. 

Quaisquer que sejam as iniciativas que você esteja planejando para avançar sua estratégia e alcançar seus objetivos de negócios, o CDO terá um papel fundamental a desempenhar. Se você planeja introduzir ferramentas de inteligência artificial para, por exemplo, transformar suas operações de atendimento ao cliente, seu CDO será responsável por garantir que você tenha processos de coleta e governança de dados capazes de acumular a vasta loja de dados que você precisará analisar. Pensar estratégias: predizendo tendência de consumo ou buscando como gerar novas oportunidades de receita para sua empresa. 

 

Pesquisas destacam os benefícios: segundo estudo recente da KPMG (2018) as empresas que possuem um CDO dedicado têm duas vezes mais chances de ter uma estratégia digital clara, e a IBM descobriu que dois terços das empresas dizem estar superando os rivais em participação de mercado e inovação através da orientação por dados. No mundo corporativo, a Capital One foi a primeira a nomear um diretor de dados - ou melhor, diretora, Cathryne Clay Doss - em 2002. O avanço da compreensão desta medida cresceu na última década: em 2012, apenas 12% das empresas da Fortune 1000 tinham um CDO, já em 2018, 67,9% das empresas pesquisadas relataram ter um CDO (saiba mais sobre sua importância aqui).

"Desde 2012, vimos a fundação do Open Data Institute com foco no valor comercial dos dados; o estudo de referência da McKinsey que atrelou o valor anual dos dados abertos a US $ 3 a US $ 5 trilhões; a venda da Climate Corporation, uma empresa pioneira de dados abertos, para a Monsanto por cerca de US $ 1 bilhão; e o lançamento do Open Data 500 e do Open Data Impact Map, que documentaram o uso de dados abertos por milhares de empresas em todo o mundo.


Esses desenvolvimentos e outros demonstraram que os dados abertos têm valor comercial e econômico que está apenas começando a ser explorado. Dados abertos não são apenas um recurso para empresas inovadoras que os aplicam a novos empreendimentos empresariais. O uso de dados abertos também se tornou parte da prática comercial mais ampla de usar dados e ciência de dados para fundamentar decisões de negócios, desde o lançamento de novos produtos e serviços até a otimização de processos e a superação da concorrência."

How open data fuels key business sectors”. Artigo no Feedscoop. Por Joel Gurin, Presidente do Center for Open Data Enterprise (Washington, D.C.), 16.08.17. 

Saiba mais sobre o potencial da abertura de dados para o universo dos negócios através do conhecimento de especialistas:

  • Integrando o design centrado no usuário na estratégia de dados abertos , OpenFDA : Esta prática recomendada advoga para garantir que os dados abertos atendam às necessidades existentes dos usuários. O estudo de caso vinculado explica o processo de design centrado no usuário para o OpenFDA , um portal de dados do governo da Administração de Alimentos e Medicamentos dos EUA;

A abertura de dados corporativa inclui não só a iniciativa conjunta da Adobe, Microsoft, e SAP, mas outras gigantes, como a Uber (mobilidade), e, mundialmente, há pelo menos três plataformas universais que mapeiam empreendimentos que utilizam esse modelo para suas atividades: uma global e outras no Reino Unido e nos Estados Unidos.

| Reino Unido (UK)

Empresas de todas as formas e tamanhos estão usando dados abertos como parte de seu trabalho, em todo o Reino Unido. O Open Data Institute, que promove a abertura de dados no país, encontrou e analisou um panorama de 270 empresas  que usam, produzem ou investem em dados abertos como parte de seus negócios, por meio de pesquisas e entrevistas sobre suas experiências. As empresas que estudaram têm um faturamento anual de mais de 92 bilhões de libras e mais de 500 mil funcionários entre elas. Isso mostra a escala do valor potencial dos dados abertos nos negócios.

Conheça uma lista de grandes empresas que disponibilizam dados online (e outros casos aqui):

  • Asos | Em 2011, a varejista online global de moda e beleza abriu seus dados para web desenvolvedores externos. Em uma tentativa de ampliar sua presença online, a Asos abriu sua API de produtos e cestos, facilitando a integração de sites de terceiros e liderando o retorno de potenciais clientes ao site da Asos;

  • PricewaterhouseCoopers (PWC) | A segunda maior empresa de serviços profissionais do mundo, com uma rede de empresas em cerca de 157 países. A PWC permite a pesquisa de dados abertos e fornece análise de projetos para a Open Data Challenge Series, uma série de desafios ocorridos nos últimos anos (coordenados pelo ODI e Nesta) destinados a promover serviços sustentáveis ​​de dados abertos para enfrentar problemas sociais;

  • CarbonCulture | Uma plataforma aberta projetada para ajudar pessoas e empresas a usar os recursos com mais eficiência. A startup britânica monitorava o uso de carbono no local de trabalho e sugeria maneiras de melhorar a eficiência e economizar dinheiro. A CarbonCulture trabalhou com o governo britânico, Tate Modern, University College London e Cardiff Council (para citar alguns);

  • FoodTrade | uma plataforma online que reúne mais de 1.600 produtores locais de alimentos e consumidores para mapear as cadeias de suprimentos e promover a transparência no setor de alimentos. A startup com sede em Bristol lançou o FoodTrade.Menu, um etiquetador automático de alérgenos que usa dados da Food Standards Agency para ajudar restaurantes a garantir que seus menus cumpram as regras de alergia;

  • The Guardian | Jornal nacional britânico, The Guardian usa dados abertos de uma maneira bastante interessante (conheça outros exemplos de jornalismo de dados em nossa seção especial). Desde 2009, o jornal publica seus dados brutos para que os parceiros reutilizem por meio de uma API. Os parceiros têm acesso a todo o conteúdo que o The Guardian cria, o equivalente a mais de 1,5 milhão de artigos de notícias desde 1999. Isso permite que os usuários criem aplicativos externos em troca da veiculação de publicidade do Guardian;

  • Arup | Uma consultoria global de engenharia sediada no Reino Unido, usa dados abertos como parte vital de seu trabalho com cidades inteligentes e a tecnologia que as suporta. Concentrando-se em como usar dados públicos sobre tráfego, planejamento, riscos naturais e outros tópicos para fornecer serviços mais eficientes e ajudar a mitigar riscos, como desastres naturais.

Saiba Mais

  • From Data to Action é um relatório do Centro de Insights da Harvard Business Review. Com download gratuito, é patrocinado pelo SAS, líder de mercado em analytics e uma fonte para os últimos estudos em Big Data, Hadoop, visualização e gerenciamento de dados com foco na potencialização de negócios - uma coleção de 30 artigos dos mais respeitados líderes no uso de dados que ajudam a conhecer as melhores práticas para transformá-los em lucro. Não deixe de baixar! 

□ Plataformas de Mapeamento 

| OpenCorporates

Open Corporates é o maior banco de dados aberto do mundo com informações de empresas, incorporando dados de 98 milhões de empresas em 108 jurisdições. O objetivo é registrar um URL (página virtual) para todas as entidades corporativas do mundo. Os usuários podem pesquisar o tipo de empresa, data de incorporação, endereço registrado e diretores da empresa. Os dados são agregados de fontes como sites do governo, registros nacionais de empresas, registros de empresas e estão disponíveis como uma API.

| Open Data Impact Map

Open Data Impact Map, um projeto da Rede de Dados Abertos para Desenvolvimento (OD4D), é um banco de dados público de organizações que usam dados governamentais abertos de todo o mundo. Foi desenvolvido para fornecer a governos, organizações internacionais e pesquisadores uma compreensão mais abrangente da demanda por dados abertos. Ao mapear essas organizações usando dados abertos, podemos identificar melhor, obter feedback e melhorar os conjuntos de dados governamentais mais valiosos.

O Mapa inclui organizações (empresas, organizações sem fins lucrativos, instituições acadêmicas e grupos de desenvolvedores) que usam dados abertos do governo para advocacy, para desenvolver produtos e serviços, melhorar operações, informar estratégias e conduzir pesquisas. É um esforço colaborativo que se baseia em estudos anteriores, exemplos de uma rede internacional de apoiadores regionais, uma pesquisa online. O Mapa de Impacto de Dados Abertos é financiado pelo Centro Internacional de Pesquisa em Desenvolvimento (IDRC)  e pelo Banco Mundial. É desenvolvido e gerenciado pelo Center for Open Data Enterprise.

| Open Data 500

Open Data 500 é o primeiro estudo abrangente de empresas dos EUA que usam dados abertos do governo para gerar novos negócios e desenvolver novos produtos e serviços. É gratuito, informa ainda sobre dados públicos que podem ser usados ​​para iniciar empreendimentos comerciais e sem fins lucrativos, fazer pesquisas, tomar decisões baseadas em dados e resolver problemas complexos.

Rede Global | A OD500 Global Network é uma rede internacional de organizações que buscam estudar o uso e o impacto de dados abertos. Coordenada pelo Laboratório de Governança (GovLab), da New York University, a Rede permite que as organizações participantes analisem dados abertos em seu país de maneira comparativa globalmente e específica no mercado interno. A iniciativa parte do pressuposto de que somente mapeando o uso de dados abertos dentro e entre países, novas abordagens para entender o impacto econômico e social dos dados abertos do governo podem ser geradas.

□ Open Banking 

Um modelo de banco aberto pode facilitar uma série de serviços de valor para consumidores e provedores. A União Europeia tem sido proativa nessa frente, estabelecendo as regras de participação por meio da Diretiva Serviços de Pagamento (PSD2) - em vigor desde 2018, ela determina que todos os bancos do bloco tenham “open API”, ou seja, que tenham protocolos abertos para troca de informações (saiba mais sobre ela aqui e aqui). O Brasil iniciou sua implementação em 2020, e outros países, como Austrália, Índia e Canadá já estão em discussões avançadas sobre o tema. 

 

Muitos deles existem hoje de alguma forma: o AliPay e o WeChat possibilitam o comércio eletrônico aprimorado por meio de suas plataformas, oferecendo uma experiência personalizada mais suave e um conjunto completo de opções de pagamento, incluindo ponto a ponto. Nos EUA, após uma iniciativa liderada pela indústria financeira, uma em cada quatro pessoas com uma conta bancária passou a usar o conceito de APIs abertas para conectar 2.600 aplicativos a mais de 11 mil instituições financeiras através de fintechs

O Open Banking coloca você no controle de seus dados: uma maneira mais fácil de mover, gerenciar e ganhar mais dinheiro, mas obedecendo às Leis de Proteção (LGPDs). Abre o caminho para novos produtos e serviços que podem ajudar os clientes e as pequenas e médias empresas a obter um acordo comercial melhor (a pequena quantidade de informações que as instituições financeiras têm sobre os seus clientes é uma das causas para que o crédito no Brasil seja tão caro, por exemplo) e é um passo importante no processo de digitalização do sistema financeiro. Também pode fornecer uma compreensão mais detalhada de suas contas e ajudar a encontrar novas maneiras de aproveitar ao máximo seu dinheiro. Os benefícios potenciais do sistema bancário aberto englobam enfim, melhor experiência do cliente, novos fluxos de receita e um modelo de serviço sustentável para mercados carentes - beneficiando os clientes, com taxas menores, e as instituições, com riscos menores.

Governança e Riscos

"Embora o sistema bancário aberto possa beneficiar os usuários finais e promover inovações e novas áreas de concorrência entre bancos e não bancos, também é provável que inaugure um ecossistema de serviços financeiros inteiramente novo, no qual os papéis dos bancos possam mudar acentuadamente. Também levanta questões sobre regulamentação e privacidade de dados, o que ajuda a explicar por que os mercados globais adotaram abordagens variadas à governança, contribuindo para níveis díspares de progresso.

No entanto, existem riscos inerentes ao compartilhamento de dados, e é por isso que é essencial desenvolver processos e governança subjacentes às conexões técnicas. O compartilhamento de dados em serviços financeiros tende a ser baseado em riscos e permissões, com trilhas de auditoria necessárias e sujeito a regulamentação e gerenciamento de riscos. Se bem feito, no entanto, pode oferecer maior segurança por meio de recursos aprimorados de conhecer seu cliente, validação de identidade e detecção de fraude. É necessário o consentimento explícito do titular da conta."

Saiba mais sobre o potencial da abertura de dados para o universo dos negócios através de artigos simples e não acadêmicos de especialistas:

| Liderança Europeia

O desenvolvimento do ecossistema varia acentuadamente por região, devido em grande parte à divergência regulatória. A abordagem mais programática foi adotada na União Europeia, por meio do PSD2 e de um esforço mais amplo para promover a concorrência no banco de varejo por meio do Open Banking Standard do Reino Unido. Uma disposição essencial do PSD2 visa promover a concorrência e a inovação na prestação de serviços de pagamentos no Espaço Econômico Europeu, abrindo o acesso de contas a órgãos não atrelados ao sistema financeiro. Desde a década de 1990, Itália, Bélgica e Alemanha instituíram protocolos comuns para fornecer acesso à informações de contas para bancos menores e terceiros.

globalopenbanking.png

| No Brasil

As medidas para implementação deste novo modelo no país foram aprovadas recentemente pelo Banco Central (através da publicação da Resolução Conjunta nº1, de 4 de maio de 2020), que estabeleceu um cronograma de ações em 4 fases, para que o sistema esteja em funcionamento a partir de 30 de novembro de 2020, com conclusão limite prevista para outubro de 2021. A regulamentação vem ao encontro da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), em que o consumidor é titular de suas informações e deve autorizar qualquer alteração financeira.  

A Resolução Conjunta do Banco Central e do Conselho Monetário, que dispõe sobre a implementação do Sistema Financeiro Aberto, determina que as instituições financeiras de categoria S1 e S2, o que inclui os bancos de grande porte, serão obrigadas a aderir ao sistema financeiro aberto. A adesão é opcional para as instituições a partir da categoria S3, como bancos de pequeno porte, fintechs e cooperativas de crédito. Todos os participantes devem compartilhar entre si as informações de clientes, a partir de autorização explícita. O consumidor tem o poder de gerir as informações que serão compartilhadas, a finalidade, e o prazo para esse compartilhamento. 

O modelo poderá facilitar a inclusão financeira de desbancarizados, aponta artigo da Canaltech: com um celular, seria possível abrir uma conta digital, sem a burocracia de ir a uma agência: "No Brasil, o número de pessoas que não movimentam a conta bancária há mais de 6 meses ou optaram por não ter um banco é de 45 milhões, de acordo com uma pesquisa levantada pelo Instituto Locomotiva - esse grupo movimenta cerca de R$800 bilhões por ano".  

Fontes Consultadas

Para esta seção, além dos trechos linkados, os seguintes textos foram consultados:

Artigo "Hail to the chief: why your data officer is now your head of digital value", 02.10.19 - Orange Business Services;

Artigo "What is a chief data officer? A leader who creates business value from data", 28.05.19 - CIO Magazine;

Artigo "Rethinking The Role of Chief Data Officer", 22.05.19 - Forbes Insights;

Artigo "Open Banking no Brasil: o que muda para os consumidores", 06.08.20, por Marcos Santos - Canaltech.

Notícia "Moving from Open Data to Open Knowledge: Announcing the Commerce Data Usability Project", 29.01.16 - Arquivos White House (créditos imagem de banner do topo).

Acompanhe nas Redes Sociais

 
 
 
 
 
 
 

©2020  Uma iniciativa Pernambuco Transparente.